Saiba como a realidade virtual pode elevar a outro nível a arte nos museus

A realidade virtual encontra-se nas mais distintas esferas da nossa vida, mesmo as quais jamais poderíamos imaginar, como por exemplo nas apostas, onde usuários utilizam ferramentas como bet.pt codigo promocional 2019

Saiba que a maioria dos grandes museus já estão notando a importância da realidade virtual. Os administradores destes grandes centros de obras de arte estão percebendo, ao longo dos anos que isto se trata de um ótimo e essencial recurso utilizado para a sensibilização e mobilização dos espectadores. Entretanto, se analisarmos a realidade virtual mais a fundo, podemos perceber que isto potencializa e eleva os museus e suas artes a um nível ainda maior

Como exemplo deste alto nível, podemos citar o museu inglês Tate, considerado um dos mais renomados mundialmente. Teve em seu espaço uma exposição do grande artista Modigliani, no qual utilizou uma aplicação de realidade virtual, cujo nome HTC vive. Tal aplicação simula que o usuário caminhe entre as paredes do ateliê do mesmo artista. 

Já no ano de dois mil e quinze, ainda em Londres, a mostra FILE, uma das mais importantes, mostrou aos espectadores uma aplicação capaz de reconstruir através de cenário de terceira dimensão, algumas artes de ninguém menos que Van Gogh. A aplicação era tão real, que possuía a capacidade de respeitar os formatos geométricos, assim como a textura de suas telas. Próximo ao maquinário utilizado para o aplicativ, um balanço de verdade mostrava uma experiência sensorial, juntamente com um óculos chamado Swing, objeto este utilizado na realidade virtual. 

Ainda no ano de dois mil e quinze, um artista brasileiro, conhecido como Batman Zavareze. Criou uma aplicação de realidade virtual para uma amostra de arte de Kandinsky. Tal ferramenta permite que o usuário viajasse pelas cores que o artista utiliza em sua obra. 

Mas por que, afinal, a arte é elevada a outro patamar com a tecnologia? 

Antes de adentrar mais a fundo ao assunto específico nos museus, em como a realidade virtual elevou a outro nível este tipo de arte, é importante salientar que sem a tecnologia, que anualmente passa por aprimoramento em todos os sentidos, grandes locais que abrigam obras de arte poderiam decair com relação ao número de visitantes. 

Isso se deve ao fato de que tudo atualmente depende de alguma aplicação tecnológica para despertar interesse nas pessoas. Se refletirmos mais a fundo é temos interesse de que as crianças e os jovens mantenham o interesse pela arte no futuro, é necessário sim acompanhar o avanço tecnológico pelo qual passamos ano após ano. 

A realidade virtual ao que tange os museus, genuinamente um ambiente coletivo, pode ser utilizada por meio de interações coletivas educativas, no qual as pessoas assistem por algo em conjunto e de forma sincronizada ou então por meio de aplicações de realidade virtual de cunho social. 

Nestes fatores então, que percebemos a grande transformação dos mais renomados museus ao redor do mundo. Tais locais não precisam se limitar ao seu espaço físico. A realidade virtual tem a capacidade de simular um ambiente ou espaço no qual não foi projetado para a realidade física do museu. Em meias palavras, a realidade virtual tem a capacidade de ampliar a comunicação entre o público é o museu, virtualmente falando. 

Podemos concluir que sem dúvida alguma, toda esta tecnologia desenvolvida aos museus, manterá ainda mais viva a arte no decorrer dos anos. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *